Sobre os noivos

É muito bom relembrar cada pedacinho da nossa história!

Era uma vez, nas férias de janeiro do ano de 2010, que em uma despretensiosa quarta-feira, que o Mogly, aquele que anos mais tarde iria se atrasar para o show do Gessinger, me convidou juntamente com o meu futuro padrinho Samuel para irmos em uma RODA DE SAMBA no Musik, logo eu que vinha aproveitando as férias para escutar mais discos de rock and roll do que dormir propriamente, logo eu que no mês anterior fui no último show da última turnê mundial do The Doors em Campinas, mas que apesar dos pesares, apesar de racionalmente não fazer sentido algum, eu fui... Chegando lá aproveitei a vantagem de ser maior de idade, ou seja, não aturar certas coisas sem ficar levemente embriagado, suficiente apenas para não ter irritação ao escutar o ruído do tal do cavaquinho; não dancei, não danço, e possivelmente não dançarei, fato alias que se repetiu durante os 29 anos dessa encarnação, e possivelmente das passadas e futuras. Mas Deus mora nos detalhes, e como nada é por acaso, o futuro me reservava a mulher da minha vida... Enquanto o Mogly se esbaldava na pista, eu e o Samuel fugindo da poluição sonora fomos pra entrada do empreendimento, onde meu amigo me chamou atenção para umas meninas sentadas em uma mesa e me incentivou a puxar um assunto, porém a tarefa não era das mais simples, cismei com Raphaela que estava no meio da mesa, impossibilitando aproximação e pra piorar ainda tinha um sujeito chegando nela, mas... num impulso, fui pedindo licença para todas aquelas 8749273 pessoas presentes, me parece que estava toda a sala da Rapha presente, fixei ao lado Dela e disse pro cara que estava chegando nela "Vim te ajudar" hauahuahuahuahahuahu. Final da noite após esgotar todo meu repertório ganhei um beijo e um tel, nos dias depois na dúvida entre ligar ou não, pedi conselho ao também padrinho, Vitoi, que num singelo momento de lucidez, proferiu as seguintes palavras de sabedoria e incentivo “Liga logo cara, investe nessa menina, as vezes ela consegue te aguentar” rs e assim começamos aquilo que mudaria nossas vidas para sempre...

Hoje já são 7 anos de muito carinho, companheirismo e principalmente amor.

O noivado veio de um processo natural, apesar de querer no íntimo ser o mais independe  possível em qualquer aspecto da vida, tive que dar o "braço a torcer", dependo dela para ser feliz e necessito passar o resto da minha vida com a minha Raphaela, ELA, maior de idade e em plena posse de suas faculdades mentais, DISSE SIM e cá estamos, e esse é só o começo de uma longa caminhada e que com muito amor e ajuda de vocês possamos superar todas os obstáculos que essa Infinita Higway nos reserva. 

Pedro Henrique